Obras em sítio frequentado por Lula custaram R$ 1,2 milhões afirma laudo da PF

Laudos anexados ao inquérito da Polícia Federal (PF) envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicam que as obras no Sítio Santa Barbara, em Atibaia (SP), frequentado pela família do ex-presidente, custaram R$ 1,2 milhão.

 A reforma ocorreu entre 2010 e 2014 e, de acordo com os peritos, aumentou a área da propriedade em 520 metros quadrados.

Os policiais apuram se a reforma foi paga por empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato e se houve favorecimento ilegal ao ex-presidente.

Os agentes suspeitam que Lula seja o real dono do sítio e que tenha ocultado este patrimônio.



O sítio está em nome de dois sócios de um dos filhos do ex-presidente, Fernando Bittar e Jonas Suassuna, e Lula afirma que frequenta o local na condição de amigo dos proprietários.

O relatório sinaliza que o total gasto com a compra e reforma do sítio em Atibaia, R$ 1,7 milhão, é incompatível com os rendimentos declarados por Fernando Bittar. Entretanto, os peritos sugerem uma perícia contábil mais aprofundada sobre o assunto.


Conforme o laudo, parte da reforma foi conduzida por um engenheiro da Odebrecht, e outra por um arquiteto da OAS.


Nesta segunda parte, é destacada a reforma na cozinha gourmet que custou R$ 250 mil. Tanto a Odebrecht quanto a OAS informaram que não vão se manifestar.
Ainda como parte do laudo, os peritos divulgaram uma conversa entre o arquiteto e o presidente da OAS, Léo Pinheiro.
Léo Pinheiro fala que será preciso criar um centro de custos na OAS em virtude das obras. Ele sugere dois nomes: Primeiro Zeca Pagodinho, para o sítio, e Segundo Zeca Pagodinho para a praia.

Existe outro inquérito que tem como alvo o ex-presidente Lula relacionado a um tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. A suspeita é de que obras no apartamento tenham sido custeadas pela OAS.
Os peritos dizem que encontraram notas fiscais de materiais usados na reforma no apartamento do ex-presidente Lula, na busca e apreensão que foi feita em março, quando foi deflagrada a 24ª fase da Operação Lava Jato.
Na ocasião, o ex-presidente foi levado para depor coercitivamente - quando a pessoa é obrigada a comparecer frente a uma autoridade policial.

Outro relatório
A Polícia Federal já realizou outras análises no Sítio de Santa Bárbara. O documento anexado no sistema eletrônico Justiça Federal em março deste ano indicou que o local passou por reformas para atender as demandas de Lula e da família dele.

Dizia também que havia diversos objetos ligados a Lula a e esposa dele Marisa Letícial, mas que não foram encontrados objetos pessoais de Jonas Leite Suassuna Filho e de Fernando Bittar, que seriam os reais donos da propriedade rural.

(Materia G1 Paraná)

COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...