Dilma afirma que prisão de Mantega foi para influenciar as eleições

As declarações foram dadas nesta quinta-feira (22) em Salvador

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) classificou como "lamentável" a prisão do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

Ela afirmou também que o objetivo da ação é influenciar a campanha eleitoral

As declarações foram dadas nesta quinta-feira (22) em Salvador, onde a ex-presidente participou de uma ato contra o presidente Michel Temer (PMDB), organizado pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo sem Medo.


"Hoje, um fato lamentável aconteceu, que é o uso e a tentativa de prender uma pessoa como é o ex-ministro Guido Mantega em um hospital onde a mulher dele estava sendo operada de câncer. A pergunta é: por que prender? A resposta é: para influenciar a campanha eleitoral", disse.

Dilma disse lamentar "profundamente" a prisão e na sequência afirmou que os governos Lula e Dilma foram os que mais combateram a corrupção.O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner (PT) também comandou a operação da Polícia Federal e disse que a prisão de Mantega no hospital "foi de uma crueldade nazista".

No ato em Salvador, a ex-presidente Dilma desfilou em cima de uma caminhonete ao lado de Jaques Wagner, do governador Rui Costa (PT) e da candidata a prefeitura de Salvador Alice Portugal (PCdoB).

No chão, o público cercava o carro em que Dilma desfilou, com gritos de "fora, Temer" e "Dilma, guerreira, da pátria brasileira". Sorrindo e acenando para o público, a ex-presidente evitou entoar os gritos contra o presidente.

No discurso, a ex-presidente voltou a afirmar que o impeachment foi um "golpe" para retirar direitos sociais e que serviu para impedir que as investigações da Lava Jato "cheguem aos golpistas".

Dilma ainda afirmou que, no governo Temer, "o povo não cabe no orçamento" e acusou o presidente de querer "privatizar tudo".

"Eles querem privatizar tudo que puder, as terras, a Petrobras. Querem passar a comprar plataforma [de exploração de petróleo] fora do Brasil, transferindo para a Coreia, o Japão os empregos que nós poderíamos ter".

A manifestação percorreu um trecho de 2,5 km entre a Praça do Campo Grande a Praça Castro Alves, no centro de Salvador. Segundo a organização, 50 mil pessoas participaram do ato.


CAMPANHA NACIONALIZADA

Além de participar do ato, Dilma também gravou cenas para o programa eleitoral de Alice Portugal (PCdoB), candidata à prefeitura de Salvador.

A candidata do PCdoB tem adotado a estratégia de nacionalizar a campanha eleitoral, associando o seu adversário, o prefeito ACM Neto (DEM), ao presidente Michel Temer.

Por outro lado, Portugal tem associado sua candidatura ao apoio de Dilma e Lula, aproveitando a popularidade de ambos no Nordeste. Em Salvador, os candidatos do PT foram os mais votados em todas as eleições presidenciais desde 1989.

Este é o segundo ato político de que Dilma participa desde que deixou o cargo de presidente após a confirmação do impeachment no Senado.

Na quarta-feira (21), a ex-presidente esteve no Rio de Janeiro, onde participou de um ato de campanha da candidata Jandira Feghali (PCdoB). Com informações da Folhapress.

COMPARTILHAR:

+1

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...